“Asbestos lobby is defeated at the Brazilian Environmental Council (CONAMA)” by Fernanda Giannasi

“Asbestos lobby is defeated at the Brazilian Environmental Council (CONAMA)” – below -talks about the lobby´s challenge to overturn the environmental Resolution 348/2004 that classified the asbestos in debris and other building materials’ waste as dangerous. They tried for 6 years to build a net of supporters to approve the deregulation but they lost for 6 votes and 1 abstention in the total of 10 members last December, 16th. When the meeting started their arrogance based in a research that “proves that the Brazilian chrysotile is innocuos for the public health” backed by the Brazilian Chrysotile Institute gave them  the certainty to approve their intention. In the middle of the meeting they noticed that the guarantees to win didn´t exist anymore and tried to postponed the decision for the next meetings and were defeated.  The deregulation of the reclassification of the asbestos as dangerous to another lower class is now out of the Thecnical Comission on Heath, Environmental Sanitation and Waste Management’ s agenda. A huge victory for the social activists. The complete text in Portuguese is pasted below.

LOBBY DO AMIANTO É DERROTADO NO CONAMA  em http://fernandagiannasi.blogspot.com/2010/12/lobby-do-amianto-e-derrotado-no-conama.htmlDia 16/12/2010 vai ficar na memória dos militantes anti-amianto quando mais uma vez o prepotente lobby do amianto foi derrotado ao tentar impor sua “verdade” sobre a “inocuidade” da fibra cancerígena goela abaixo dos 10 conselheiros da Câmara Técnica de Saúde, Saneamento Ambiental e Gestão de Resíduos do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA), que tem representantes dos governos federal, estaduais e municipais, dos ambientalistas e do setor empresarial. Por 6 votos contra, 3 a favor e 1 abstenção acabou o sonho acalentado pelos lobbystas que há 6 anos tentavam revogar a Resolução 348/2004, que classificou o resíduo de construção civil, contendo amianto, como perigoso. Foi uma lição de cidadania que ali se assistiu quando se aniquilou as pretensões da indústria da morte, que produz pesquisas e uma ciência duvidosa e comprometida com seus interesses (junk science) para dar sustentação à sua tese mirabolante de que o amianto brasileiro é inofensivo quando no mundo inteiro é chamado de “a poeira assassina” que causou a maior “catástrofe sanitária” do século XX e já foi banido em 62 países. Tentaram o mesmo golpe na Assembléia Legislativa de São Paulo, no apagar das luzes do ano legislativo, para inviablizar a lei paulista de banimento do amianto, usando de fachada o mandato de um deputado do PTB, que descaradamente de defensor do banimento se transformou no porta-voz da indústria do amianto. Por sorte, o tal deputado não foi reeleito para o próximo mandato. A sociedade brasileira não suporta mais estes métodos fascistas que tentam calar os que se opõem a estas atividades industriais poluidoras e que provocam uma verdadeira carnificina na saúde de seus trabalhadores e da população em geral. O útlimo golpe da indústria da morte é tentar nos calar. Mais um processo está sendo movido contra nós, na auditoria-fiscal do trabalho, para impedir que inspecionemos as empresas no Estado de SP. Mas isto não vai nos paralisar, pois se não formos nós, virão outros funcionários públicos zelosos e cumpridores de seu papel de defesa do bem comum e do interesse público. Tal qual Dolores Ibarurri, ativista espanhola conhecida como “La Pasionaria” e sua antológica frase “No pasaran!”, diremos a plenos pulmões “Não nos calarão! Não nos intimidarão!”

Fernanda Giannasi é Auditora-Fiscal do Trabalho da Superintendência Regional do Trabalho em São Paulo há 27 anos. Gerente do Projeto Estadual do Amianto. Coordena a Rede Virtual-Cidadã pelo Banimento do Amianto na América Latina e ajudou a fundar os 10 grupos de vítimas do amianto, representando 7 estados da federação brasileira.

This entry was posted in Blog. Bookmark the permalink.